O Athletico-PR fez história e está na semifinal da Copa Libertadores. Em partida realizada na noite de hoje (11), em La Plata (ARG), a equipe brasileira superou nos minutos finais o Estudiantes por 1 a 0 e, de quebra, se garantiu na próxima fase do torneio, já que, na ida, os clubes empataram sem gols.

Vitor Roque, de apenas 17 anos, entrou no segundo tempo e virou o herói do confronto. Ele foi o responsável por alterar, nos acréscimos, o placar da partida — marcada por um gol anulado dos mandantes e pelo clima tenso envolvendo os jogadores.

Agora, os paranaenses, treinados por Luiz Felipe Scolari, têm pela frente o Palmeiras na briga por uma vaga na final do torneio continental. Flamengo e Vélez Sarsfield fazem a outra semifinal. Será uma espécie de encontro entre Criador e Criatura, visto que Felipão tem forte influência em Abel Ferreira, técnico alviverde, além de ter comandado o clube paulista no título da primeira conquista da América do Verdão, em 1999.

O primeiro confronto entre os clubes brasileiro será no dia 30 deste mês, em Curitiba, enquanto a volta ocorrerá em 6 de setembro, no Allianz Parque.

A atual campanha do Athletico de Felipão é a melhor do clube no torneio desde 2005, quando disputou a final contra o São Paulo. O técnico, aliás, fará sua sexta semifinal de Libertadores.

Com estádio lotado, os mandantes começaram a partida pressionando. Aos 5 minutos, Godoy foi acionado pela direita e cruzou para o meio da área. Castro chegou a desviar, mas errou o alvo.

Pouco depois, novo susto: Piatti sofreu falta e, na cobrança, Morel quase cabeceou para as redes de Bento — Pedro Henrique afastou o perigo antes da chegada do zagueiro rival.

A resposta do Athletico, apesar de tímida, saiu aos 15 minutos. Fernandinho fez fila e sofreu falta na ponta direita. Na cobrança, Khellven bateu direto e obrigou Andújar a espalmar.

Em meio à pressão dos argentinos, o confronto ganhou contornos de Brasil x Argentina dentro do Jorge Luis Hirschi.

Em um intervalo de três minutos, o zagueiro Pedro Henrique quase saiu do céu para o inferno na partida. Primeiro, ele cometeu uma falta em Rodríguez e recebeu o cartão amarelo do árbitro Andrés Matonte.

Logo depois, o jogador, ao tentar cortar um lance ofensivo do Estudiantes, deu um tranco em Piatti já na linha lateral. O meia-atacante parou nos muros da arquibancada com o choque.

Imediatamente, os atletas do clube mandante foram para cima de Pedro Henrique e pressionaram o árbitro pelo segundo amarelo do zagueiro. O juiz, no entanto, optou por uma advertência verbal ao brasileiro.

Antes do intervalo, Leandro Díaz também foi advertido com o amarelo. Já Fernandinho, por pouco, não tomou o terceiro cartão da partida após solar um adversário.

Com bola rolando, o Estudiantes chegou com perigo em ao menos duas oportunidades à meta de Bento: primeiro com Rogel, que pegou rebote dentro da área e mandou para fora, e depois com Morel, que aproveitou desvio e obrigou o goleiro rival a fazer linda defesa.

O time brasileiro teve sua primeira grande chance de gol aos 5 minutos da etapa final. Cuello arrancou do campo de defesa, passou por três e acionou Canobbio.

O atacante, já na ponta direita, cortou para o meio e bateu de perna esquerda, mas a bola desviou e saiu em escanteio. Na cobrança, o próprio Cuello aproveitou bate-rebate e tentou de cobertura. A bola passou raspando a trave de Andújar.

Aos 10', em novo contra-ataque, foi a vez de Fernandinho esticar para Canobbio, que não conseguiu concluir o cruzamento. Foi aí que Felipão colocou Vitor Roque e Rômulo nos lugares de Canobbio e Pablo, respectivamente.

Depois de a tentativa de neutralizar o jogo, o Athletico voltou a ser acuado e chegou a ver sua rede balançar — em lance com direito a polêmica envolvendo o uso do VAR.

Em escanteio cobrado por Zuqui, o zagueiro Rogel subiu sozinho e acertou a trave. A bola voltou nos pés de Lollo, que empurrou para o gol.

A polêmica sobre a anulação do gol se deu porque Morel, outro defensor do time argentino, estava entre Lollo e o gol defendido por Bento no momento do chute. Andrés Cunha, responsável pelo VAR, chamou Matonte para analisar a jogada. O juiz de campo invalidou a jogada e, após revolta argentina, aplicou amarelo ao goleiro Andújar.

Os minutos finais do duelo seguiram com pressão intensa do Estudiantes em cima do Athletico, que se fechou com o objetivo de levar a disputa para os pênaltis.

O ex-corintiano Boselli — que entrou no lugar de Godoy —, Rollheiser e Morel tiveram boas chances de mexer no marcador. Quando acertaram o alvo, no entanto, pararam em Bento.

Aos 45 minutos, Mauro Méndez, que substituiu Leandro Díaz, desperdiçou a oportunidade mais clara de gol dos mandantes dentro dos 90 minutos.

Ele recebeu lançamento nas costas da defesa do Athletico e ficou cara a cara com o goleiro brasileiro. O atacante bateu para fora — para alívio dos torcedores da equipe paranaense.

O improvável aconteceu já na casa dos 50 minutos. Vitor Roque, em cruzamento de Vitinho na esquerda, se infiltrou entre os zagueiros.

De maneira heroica, o jovem se antecipou ao goleiro Andújar e, de cabeça, fez o gol que decretou o Furacão na próxima fase: 1 a 0.